sábado, 21 de março de 2009

Uma xícara de chá


Está largado à grande poltrona da sala. Os pés descalços tocam o chão frio de mármore branco. É domingo cedo de manhã. O dia ainda amanhece, nublado e cinzento. As nuvens escuras cobrem o céu até a linha que delimita o horizonte. A camisa social arregaçada até os cotovelos e a calça estão amassadas, ligeiramente sujas. Ele fita o lado de fora pela grande janela que substitui a parede do apartamento. As pílulas jazem solitárias sobre a mesa de centro entalhada em madeira nobre da lauta sala. Deveria te-las tomado noite passada. Não quis. Não dormiu, tampouco sentiu-se vivo em momento algum da madrugada em claro. Permanece entorpecido. A lareira artificial dança a alguns metros dele. Ressalta o frio que passa naquele lugar. Sente-se gélido por dentro. Rígido. E oco.

A esposa acordara há pouco. Entra na sala com a xícara de chá de hortelã na mão direita e o jornal na esquerda olhando de esguelha aquele homem desconhecido de olhos vazios. É indiferente à sua presença. Senta-se no sofá, toma um antidepressivo e põe-se a ler. Ele continua a pensar silenciosa e profundamente, sem pílulas, abstraído em sua palidez mórbida. Transmite todo o ar da decadência angustiante que toma o seu corpo precocemente envelhecido. Sua mente perdura nos pensamentos amargos e mansos. Imerso na possibilidade íntima e inebriante de não mais existir. O derradeiro alívio.

Ela continua a passar os olhos pelas mesmas linhas monótonas e homogêneas da mídia, impassível diante das notícias que tanto destacam pobres e miseráveis de todo tipo vivendo `as margens urbanas. Suspira, entediada. Ele prende a respiração. E declara em voz baixa, quase sussurra seu destino:

- Vou acabar com isso tudo.

- Com o que? - pergunta sem olhar para ele - Quer um divórcio? - e suspira novamente, tomada pela indiferença - Já era hora.

- Não. Com toda essa vida escrota. - responde tirando os olhos do vazio e pousando-os sobre ela. Ela ergue a sobrancelha direita, abre um sorriso irônico no canto da boca e encara-o de modo arrogante.

- É mesmo? - indaga desdenhosa.

- Sim.

- Ao menos poupa-me o dinheiro do advogado. E como vai ser?

- Vou me jogar daqui.

São vinte e cinco andares até o asfalto da avenida.

- Que original.

Silêncio. Ela continua:

- Não vai começar a escrever sua despedida?

- Não vai haver despedida escrita. Só vou fazer de uma vez.

- Então trate de andar logo.

Silêncio.

- Entendi. Você não tem coragem. É um covarde.

- Sou. Por isso vou fazê-lo.

-E o que está esperando?

- Nada - e põe-se de pé.

Ele respira fundo, contempla seus últimos momentos. Ela continua sentada ali, fitando-o com escárnio, rindo-se de toda a cena por dentro. A ela tanto faz te-lo ali ou não.

Começa a andar tranquilamente. Toma impulso, não muito forte, apenas o suficiente para romper o vidro. Vai de encontro à janela e quebra-a em inúmeros cacos, que o acompanham na queda. Fecha os olhos. Sente-se livre e sereno no caminho desenfreado rumo ao chão. Por quatro eternos segundos ele voa. Oitenta metros de paz.

E encontra o chão. Bate.

Morre despedaçado na sarjeta.

O derradeiro alívio.

Ela leva a mão à boca.

Boceja.

E toma mais um gole do chá.

8 comentários:

  1. Cara.
    Os seus textos são incríveis, você sabe disso.
    Eu fico sem palavras, de verdade.

    ResponderExcluir
  2. MUITA SAUDADE de seus textos, muita saudade de seu senso irônico e análise aguçada!

    parabens... estou de volta ao meublog e feliz por vê-lo tão perspicaz como sempre!

    ResponderExcluir
  3. Meu Deus!
    Que crime voce demorar tanto para escrever!
    sem palavras pra esse texto, ainda com a musica de fundo...
    PERFEITO!

    ResponderExcluir
  4. cacete
    os textos tao bons mesmo so falta bota um pixies de musica de fundo vlw

    ResponderExcluir
  5. Teus textos são muito massa.
    o//
    Parabens

    ResponderExcluir
  6. O melhor texto que você escreveu. Impressionante.
    Gostaria de saber de onde vem tanta inspiração.
    Já estava com saudades dos seus textos.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Violentamente lindo.

    Faz algum tempo que não leio algo assim.
    Faz algum tempo que procuro algo assim.

    Realmente Bom.

    ResponderExcluir